18.3.06

Consulta do Conselho Ultramarino (Assassinos de Zumbi)

Retirado do livro : "República de Palmares"
Pesquisa e comentários em documentos
históricos do século XVII - De Décio Freitas.

(http://www.vicosadealagoas.com.br)

Consulta do Conselho Ultramarino
sobre a morte de Zumbi, encaminhada a El-Rei
“Senhor,

O Governador de Pernambuco Caetano de Melo de Castro em carta de 25 de março deste ano dá conta a Vossa Majestade de como se houve a certeza de haver conseguido a morte de Zumbi para nenhuma dúvida se fizesse como tantas vezes sucedeu nos governos anteriores, assim para quietação dos povos como para exemplo dos negros que o julgavam imortal, e para demonstração do que diz envia cópia da ata que fizeram os oficiais da câmara de Porto Calvo, e por ela se vê que o troço das tropas de paulistas em que ia por cabo o Capitão André Furtado de Mendonça que conseguiu a morte do negro no sumidouro que este artificiosamente fizera na Serra dos Dois Irmãos conduziu o corpo à presença dos oficiais da mesma câmara; que se apresentou aos ditos oficiais um corpo pequeno e magro, em cujo exame se viram quinze ferimentos de bala e muitos de lanças vendo-se ainda que o membro da virilidade do dito negro se havia cortado e enfiado na boca também lhe faltando um olho e se lhe cortara a mão direita; que perante os oficiais da câmara juraram as testemunhas pertencer o cadáver ao negro Zumbi, a saber, um cabo maior que se apanhara vivo na companhia do dito, os escravos Francisco e João, o senhor de engenho Antônio Ponto e o lavrador de partido Antônio Soza, que todos haviam conhecido em pessoa o açoite daqueles povos; que se lavrou na ata o reconhecimento do cadáver do negro Zumbi, e que para que se pudesse isso mostrar ao Governador de Pernambuco Caetano de Melo Castro deliberou-se levar ao Recife somente a cabeça pela impossibilidade de levar o corpo todo; que no pátio da câmara, presentes todos os oficiais, um negro decepou a cabeça a qual se salgou com sal fino, o que tudo se fez constar na mesma ata; que assim pôde ele Governador Caetano de Melo de Castro à vista da cabeça e da ata da câmara ter a certeza da morte do negro que tantos danos fizera à Real Fazenda e aos moradores das Capitanias de Pernambuco.

Ao Conselho parecer fazer presente a Vossa Majestade o que escreve o Governador de Pernambuco Caetano de Melo de Castro de se haver morto ao negro Zumbi, o que Vossa Majestade deve mandar agradecer ao dito Governador o bem que neste particular e nos mais do serviço de Vossa Majestade se há havido. Lisboa, 2 de setembro de 1696.

(a) Conde de Avelar
(a) João de Sepúlveda e Matos
(a) José de Freitas Serrão

Como parece, 13 de setembro de 696. (Rubrica) / na folha 1 R/’


Capítulo 43, A cabeça de Zumbi

Um comentário:

Sóstenes Lima disse...

Qual a diferença entre esse assassinato e o do vereador Renildo? Os métodos continuam os mesmos. Os motivos, semelhantes.